Espaço do Associado 03/09/2020

G.Paniz celebra quatro décadas de conquistas

Fundada em 1980 por Gilmar Paniz, a empresa caxiense é líder nacional no segmento de fabricação de máquinas para a indústria alimentícia

O ano era 1980. Na época, Gilmar Paniz trabalhava em um torno mecânico no porão de seu tio, Biel Debastiani, em Caxias do Sul. Ele prestava serviços em usinagem de peças para terceiros em sua recém-fundada empresa: a Zorca. Os tempos eram difíceis, e por depender do sucesso de outras empresas, o negócio capitaneado por Paniz corria o risco de não obter bons resultados.

Com isso, em 1982, ele mudou o nome da empresa para G. Paniz e começou a produzir máquinas elétricas de macarrão. Nesta época dependia do transporte público para buscar a matéria-prima utilizada na produção das máquinas. Então Gilmar colocava em um saco de linhaça a quantidade de peças que conseguia carregar e as trazia para sua empresa.

Para vender a chamada “máquina para massa”, o empresário visitava localidade por localidade, onde deixava uma de suas extrusoras como amostra em restaurantes e capelas que realizavam os tradicionais almoços de colônia. Depois de alguns dias, ele voltava para conferir como havia sido a experiência. Se fosse boa, ele vendia o equipamento. O resultado? Nenhuma das máquinas retornou à empresa.

A partir de 1986, a G.Paniz iniciou sua participação em feiras regionais, como a Festa da Uva, Fenakiwi e Fenavindima. Entre os produtos fabricados estavam amassadeiras, cilindros e extrusoras de massas. O investimento na linha própria culminou no encerramento da prestação de serviços de usinagem de peças para terceiros.

A empresa trilhava o caminho para se consolidar no mercado. Em 1995, participou da maior feira do ramo de alimentação da América Latina: a Fispal, em São Paulo. A presença no evento contribuiu para a solidez do negócio no mercado nacional. Naquela época, a G.Paniz contava com uma sede maior, localizada na esquina das ruas Jacob Cemin com Rubem Bento Alves. No local foram desbravados novos produtos, como moedores de carne e máquinas serra fita, ambos para utilização em açougues.

Também continuava a modernização das linhas de panificação, com foco nas amassadeiras de pão. Além disso, a empresa já investia na mecanização da produção – o que garantia qualidade ao produto e ainda otimizava o tempo.

A consolidação

Sólida no setor de máquinas para a indústria alimentícia, em 1999 a G.Paniz expandiu seu negócio instalando-se em uma área que totaliza 50 mil m², localizada no

bairro Vila Maestra. No início, a área construída era de 5 mil m², com capacidade para fabricar mais de 40 modelos de máquinas para açougues, padarias, restaurantes e confeitarias. Atualmente a área construída é de 12 mil m² e seu portfólio conta com aproximadamente 400 modelos de máquinas. A determinação e o planejamento a longo prazo trouxeram uma das conquistas mais cobiçadas entre as empresas: a certificação ISO 9001.

Em paralelo com o aprimoramento das máquinas já existentes, foi adotada uma política de qualificação da mão de obra. Estas medidas, aliadas com a modernização do parque fabril, iniciaram um processo de melhorias contínuas que, até hoje, apresentam resultados expressivos na produção da G.Paniz. Em pouco tempo, a empresa estava consolidada como líder do segmento no mercado nacional, contando com representantes nas principais regiões brasileiras.

Os anos 2000 marcaram o desafio de entrar no mercado estrangeiro. Um dos primeiros países a reconhecer a qualidade dos produtos foi o Paraguai. Logo ele se tornou um forte parceiro comercial. A G.Paniz firmava então a sua participação no mercado latino-americano, além de buscar novas tecnologias na Europa e América do Norte. Em 2002, a empresa já falava com representantes do Japão, visando internacionalizar ainda mais a marca.

Logo mais, começavam as negociações com países da África e Oceania, o que inseria o maquinário G.Paniz nos cinco continentes do mundo. “O empreendimento, que começou por necessidade, se tornou líder nacional em seu segmento e desbrava novos mercados internacionais. Em todo este período, passamos por diversos ciclos, alguns bons e outros nem tanto”, diz o presidente, Gilmar Paniz.

O investimento em tecnologia trouxe diversos avanços na área produtiva. A empresa conta com robôs que auxiliam na solda, centro de usinagem para fresamento e furação das peças, torno CNC, centro de corte e dobra, puncionadeira e máquinas de corte a laser. Além de entregar peças produzidas com precisão, diminuindo o número de retrabalhos, a empresa investe em seus funcionários, qualificando a mão de obra e promovendo o bem-estar da equipe.

O crescimento também trouxe outras marcas. Metalcubas, Gastromaq e Grano fazem parte do Grupo G.Paniz, trazendo mais competitividade em segmentos específicos do ramo de alimentação. As empresas competem em seus respectivos mercados com o respaldo e a qualidade entregues pela G.Paniz. 

Veja também:


SIMECS lança Programa de Empreendedorismo Internacional
Inova Transformação em Veículos Especiais
Governador esclarece pontos da Reforma Tributária
SIMECS e Fátima Saúde firmam parceria
Hospital Geral pretende arrecadar R$ 37 milhões em dois meses para concluir obras de ampliação
Sicredi e SIMECS: a parceria que pode potencializar o crescimento de sua empresa
BYRos Brasil empresa com Soluções para Conectividade Elétrica e de Dados para Ambientes e Mobiliário
SIMECS homenageia a Metalúrgica Buzin pela passagem de seus 50 anos.
Hyva do Brasil recebe homenagem do SIMECS por seus 25 anos
3º Fórum Sul Brasileiro de Biogás e Biometano com inscrições abertas para webinars em setembro
Levantamento mensal do SIMECS aponta aumento gradual na demanda da indústria em agosto
Juntos Somos Mais Fortes
Oportunidades disponíveis para alavancar o seu negócio
Edreaza Componentes Automotivos completa 30 anos de atividade
Hyva do Brasil celebra 25 anos
Agrale vai fabricar caminhões elétricos da tradicional marca FNM
Guia SIMECS de Sobrevivência à COVID-19: Assessorias
Guia SIMECS de Sobrevivência à COVID-19: Projetos
Máquinas de Soldagem Sumig prontas para indústria 4.0 podem ser adquiridas via financiamento no BNDES
Guia SIMECS de Sobrevivência à COVID-19: Convênios
Guia SIMECS de Sobrevivência à COVID-19: Inovação
SIMECS e Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos assinam Convenção Coletiva 2020
Guia SIMECS de Sobrevivência à COVID-19: Produção
Guia SIMECS de Sobrevivência à COVID-19: Gestão de Pessoas
Guia SIMECS de Sobrevivência à COVID-19: Finanças
Guia SIMECS de Sobrevivência à COVID-19: Marketing e Vendas
Demanda da indústria apresenta leve melhora em levantamento mensal do SIMECS
Guia SIMECS de Sobrevivência à COVID-19: Estratégia
Guia SIMECS de Sobrevivência à COVID-19: Crédito
Guia SIMECS de Sobrevivência à COVID-19: Plano de Contingência
Guia SIMECS de Sobrevivência à COVID-19: Medidas Protetivas
Guia SIMECS de Sobrevivência à COVID-19: Trabalhista
Modelo de Plano de Contingência
Guia SIMECS de Sobrevivência à COVID-19: Tributário
SIMECS recebe pauta de reivindicações do Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos
Guia SIMECS de Sobrevivência à COVID-19
SIMECS, Empresas Randon e Marcopolo entregam ventiladores pulmonares para reforçar rede hospitalar da Serra Gaúcha
Presidentes do SIMECS e Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos se encontram para discutir ações para empresas e trabalhadores
Prefeitura apresenta ofício encaminhado ao governador para entidades e sindicatos
SIMECS Com você
AÇÕES JUDICIAIS RELEVANTES
Levantamento mensal do SIMECS aponta preservação de empregos no setor
Papo com Especialistas Perspectivas econômicas frente à crise do Coronavírus
SIMECS, entidades e empresas doam 130 toneladas de alimentos para famílias caxienses durante pandemia
PRORROGAÇÃO DOS PRAZOS DE VENCIMENTO DAS PARCELAS MENSAIS DOS PARCELAMENTOS ADMINISTRADOS PELA RFB E PGFN
SIMECS apresenta novo posicionamento
SIMECS apoia a fabricação de ventiladores pulmonares
Protocolos de enfrentamento da Covid-19
Obrigações Ambientais
Randon, Marcopolo e Simecs doam cerca de R$ 3 milhões para rede de saúde de Caxias
SUBIR